terça-feira, 18 de novembro de 2014

Estudantes temem que ajuste fiscal diminua o número de vagas nos concursos


Nos cursinhos preparatórios para concursos públicos, um assunto tem ocupado as rodas de conversa mais do que os detalhes da Lei nº 8.112 — a cartilha do funcionalismo — e os macetes para as questões de cálculo. O arrocho fiscal prometido (e esperado) para o início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff preocupa os concurseiros, que preveem um número bem menor de vagas e seleções oferecidas em 2015.

A apreensão dos estudantes faz todo sentido, no entender do professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Nelson Marconi, especialista em política e economia do setor público. “O governo terá de ser bastante rigoroso com os gastos e o mais provável é que, por isso, não haja um número significativo de concursos no ano que vem”, comentou. O calendário de provas poderá ser muito parecido ou mesmo mais minguado que o de 2014, que, com Copa do Mundo e eleições, já não foi o dos melhores para quem sonha com a estabilidade.

Diante da real necessidade de melhorar as contas públicas, em meio a um cenário de economia estagnada, Marconi defende que, no mínimo, a nova equipe de Dilma adote critérios firmes no lançamento de editais para a ocupação de cargos no governo federal. “Não sabemos o que vai ocorrer, mas a folha de pessoal pesa muito. A presidente precisará escolher bem para quais setores vai autorizar contratações”, acrescentou.

Cronograma

A torcida dos concurseiros é para que as seleções já solicitadas ou autorizadas saiam logo do papel, garantindo um cronograma mínimo. Aparecem nessa lista certames cobiçados, como o do Tribunal de Contas da União (TCU), do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) e da Polícia Civil do DF. Caso confirmados esses editais, estariam em jogo pelo menos 5,3 mil vagas.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Fonte: Correio Web

3 comentários:

  1. Existem pessoas medíocres, que pensam que o PT no poder será para o bem do funcionalismo público e quem é concurseiro vota nesse partido. No final das contas, está aí uma prova que haverá cortes de gasto com pessoal no setor público federal, o que acaba de concretizar as hipóteses que preveem a própria Constituição Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal. Reitero, rezem para que os gastos não provoquem a exoneração dos servidores estáveis - que é possível -, embora que primeiro deverá exonerar 20% dos cargos comissionados e, prosseguindo, será a vez dos servidores de cargo efetivo não estáveis e, por fim, os estáveis sendo que para este haverá uma maior motivação em face dos anteriores. Então, quem diz que: "concurseiro que é concurseiro vota no PT porque será melhor para os concursos públicos" está completamente sem a noção com a realidade da economia do país e com os estudos em falta nas matérias de Direito Financeiro, Constitucional e Administrativo; Macro e Microeconomia. Então, sugiro que estudem bem estas matérias para depois dizer que esse comentário é uma multiplicação de asneiras. Viva Dilma, viva ao retrocesso.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente. O PT é a pobreza brasileira. Mas para os petistas está tudo muito bem. "Não tem inflação; tá todo mundo com dinheiro no bolso; não existiu mensalão ; as políticas de transferência de renda são super bem administradas; a economia brasileira é apenas um reflexo da crise mundial; o Lula e a Dilma não sabem de nada; tem emprego pra todo mundo ( só emprego que termina com prefixo EIRO- porteiro, carpinteiro, pedreiro etc..) a presidenta manda investigar tudo como se ela fosse a policia federal; a PEC 37 não foi uma forma do governo tirar toda autonomia do ministério público e etc...etc...". Petistas são cheios de respostinhas, cheios de argumentos frágeis. Um bando de abitolados! Vamos ver até quando a farra vai continuar. O preço que nós brasileiros vamos pagar vai ser MUITO caro! Fora Dilma! Lulinha...pai do mensalão, seu lugar é na cadeia FDP!

    ResponderExcluir
  3. Errata: Digo em lugar de prefixo, sufixo. Apesar de que para PETISTA é prefixo mesmo. Para eles prefixo é a mesma coisa de sufixo. Tá tudo certo! kkkkk.

    ResponderExcluir