quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Às vésperas da eleição, o que querem os concurseiros?


No dia 5 de outubro, próximo domingo, os brasileiros irão às urnas para definir seus representantes federais e estaduais nos campos Executivo e Legislativo. Caberá a você, eleitor, a responsabilidade de escolher os nomes que ocuparão alguns dos principais cargos públicos do país pelos próximos anos. Com isso, cresce a expectativa dos brasileiros em geral. E dos concurseiros e servidores públicos, em particular, no que se refere a possíveis mudanças na administração pública, caso novas frentes assumam o poder - ou mesmo na hipótese de que candidatos sejam reeleitos. A FOLHA DIRIGIDA conversou com alunas da turma de INSS, no Rio de Janeiro. O concurso, para o cargo de técnico, que exige o nível médio (leia mais AQUI), é um dos mais aguardados do país. O pedido já foi feito ao Planejamento. A expectativa é de que a autorização seja concedida ainda este ano, com lançamento do edital em 2015. Mas, após as eleições, será que tudo o que está previsto vai mesmo se cumprir? No que tange à política de concursos, o que ficará? O que mudará? Afinal, o que elas esperam de seus próximos governantes?

Uma das preocupações mais recorrentes é em relação à quantidade de vagas abertas - e se elas serão mesmo totalmente preenchidas pelos candidatos aprovados. São frequentes, aqui mesmo na FOLHA DIRIGIDA Online, as queixas de candidatos sobre a não convocação de classificados... E também sobre a realização de seleções para a formação de cadastro de reserva - sem garantias de posse nos cargos em oferta. Esse é um ponto, alegam nossas entrevistadas, que precisa mudar. Para a aluna Vanessa Sant'anna, de 33 anos, que já foi aprovada em um concurso da Caixa Econômica Federal, mas não foi convocada para ingressar no banco, é preciso que os órgão do governo, a partir de pressão a ser exercida por este, especifiquem, exatamente, onde e quantas vagas serão assumidas pelos candidatos aprovados. "Acho que o governo deve ter uma preocupação no sentido de colocar à disposição a quantidade de vagas para as quais, de fato, as pessoas serão chamadas. E isso não vem acontecendo. Eu fiz o concurso da Caixa e fui aprovada. Estudei bastante, abri mão de muita coisa para poder passar no concurso e o que acontece é que, até o momento, apenas 48 pessoas, em uma lista de 900, foram chamadas. Por isso, deve ser feito um estudo para ver a necessidade real de cada órgão e não abrir à toa um número enorme - e irreal - de oportunidades", contou a aluna.

Durante a conversa, a FOLHA DIRIGIDA propôs às alunas que se imaginassem assumindo a Presidência da República ou o governo do Estado, e contassem, a partir desta colocação, quais seriam seus planos e ações que tomariam na esfera da carreira pública. Com as respostas, foi possível observar um consenso entre elas de que é preciso, antes de qualquer coisa, fiscalizar como estão os trabalhos nas áreas públicas e fazer uma varredura onde for necessário. Com essa medida, segundo as alunas, seria possível identificar quem realmente está trabalhando - e identificar a minoria que usa de artifícios para faltar ao seu compromisso profissional. Além disso, a qualificação do servidor público também foi citada como parte fundamental. Para a concurseira Carolina Davis, 27 anos, passar na prova de um determinado concurso não garante que a pessoa esteja totalmente preparada para trabalhar naquela função. "Deve haver uma qualificação constante. Não é porque a pessoa passou na prova que ela está qualificada para realizar aquele determinado serviço o resto da vida. Principalmente nas áreas de atendimento ao público, que em nosso cotidiano podemos ver pessoas que atendem mal aos clientes. Além do mais, a qualificação dos funcionários deveria ser dever do Estado, poderia estimular mais o funcionário público, ajudando a acabar de vez com esse mito de que ele não faz nada, não trabalha", disse Carolina.

Por fim, as alunas debateram sobre o cuidado que se deve ter na escolha de organizadoras dos concursos - outro ponto crítico, alvo de muitas queixas de candidatos de concurso, sobretudo nas esferas estaduais. A má escolha, quase sempre, acaba em saraivadas de denúncias de irregularidades ou fraudes, tendo como consequência a suspensão temporária ou mesmo a anulação do certame por completo - ou de alguma de suas fases. Daniele Alves, de 34 anos, sugeriu que fosse feito um sistema de classificação também das organizadoras, uma espécie de ranking, para que as instituições e órgãos públicos encontrassem, com mais facilidade e segurança, a melhor opção para gerir seus concursos. "Com certeza deve ser redobrado o cuidado neste campo. Eu faria uma lista com as organizadoras que não têm histórico de fraudes, que evitam erros ortográficos e outras falhas tão comuns, que ainda vemos por aí. Acho que fazendo essa classificação, pública e transparente, seria menos arriscado o processo de escolha das bancas, sobretudo naqueles concursos de peso, que mobilizam milhares de concorrentes", afirmou Daniele.

E você, concurseiro, que nos leu até aqui? O que espera em termos de política de concursos e valorização da carreira pública para os próximos anos? Dê aqui a sua opinião!

Fonte: Folha Dirigida/Bruno Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário