quarta-feira, 30 de julho de 2014

Manual de sobrevivência de um concurseiro


O período de preparação para provas de concursos vem com altos e baixos, mas é possível passar por crises e continuar forte na luta.


Ser um estudante com todos os requisitos exigidos pelo “mercado dos concursos” pode parecer uma tarefa extremamente complicada. Mas não é preciso ser “super-herói” para alcançar a aprovação. Ficar atento ao que acontece à sua volta já ajuda bastante! Reunimos em tópicos várias dicas para que você, estudante, caminhe neste território inóspito dos concursos com alguma segurança de que está seguindo uma trajetória segura.

Síndrome da competição

Quando se trata de concursos, estabilidade e planos de vida são os peões do jogo, assim, os instintos de sobrevivência ficam aguçados, aumentando o individualismo e a competição. É preciso resistir a entrar nesse jogo nada saudável. A estratégia é ficar atento a fatores que levam à competição entre os concurseiros: provocações, atitudes egoístas, críticas de colegas e puxadas de tapete. Quando presenciar um desses movimentos, é preciso agir positivamente, tentando criar um ambiente de cooperação e colaboração, estabelecendo parcerias. Desta forma, todos ganham.

Driblando a fofoca

A internet é um local perigoso para concurseiros mal informados. Nas redes, fóruns e blogs você pode encontrar gente bem intencionada, que se ajuda e compartilha fatos e arquivos válidos, mas também há aqueles que gostam de atrapalhar, soltando falsas esperanças sobre concursos que nunca virão, ou dados atrapalhados para confundir quem está se preparando. Fique atento! Pois quando não há informação transparente sobre os rumos de determinado concurso, os boatos invadem os bate-papos. Tudo vira motivo de especulação. A fofoca ajuda a informar, mas aumenta a insegurança.

Por isso, procure sempre sites e blogs confiáveis para confirmar as informações que você ouviu de “amigos”. Assim, você evita gastar energia com boatos e passa a focar no que interessa de verdade, sem passar rumores adiante.

Evitando a tensão

A pressão por resultados leva muitos estudantes a cometerem excessos, como longas jornadas, descuido com a alimentação e poucas horas de sono. Receber e repassar a tensão vira um hábito viciante. Praticar atividades físicas e sair com amigos ajuda a tirar a cabeça do vício dos concursos, pois encontrar uma válvula de escape é importante para manter o equilíbrio e a aliviar a tensão. Definir prioridades e negociar prazos também ajuda a aliviar a sobrecarga de atividades.

Enfrentando a paralisia do rendimento

Com as regras para elaboração de concursos em ano eleitoral, a partir do último dia 05 de julho passou a vigorar a norma de que as nomeações dos aprovados no 2º semestre de 2014 só acontecerão de janeiro de 2015 para frente. A medida se aplica somente às esferas de governo em que ocorre a eleição (federal e estadual). A admissão em âmbito municipal poderá ocorrer sem restrições. Mesmo assim, os mais ansiosos não conseguem conter a frustração de estudar com afinco e ainda assim ter que esperar até o próximo ano.

A mesma angústia afeta àqueles que nem mesmo foram ainda aprovados, mas já vislumbram a espera caso passem nos concursos realizados a partir de agora. Mas se deixar consumir pelo desânimo só vai prejudicar o rendimento. A melhor atitude é manter o ritmo e aguardar os resultados. Concentre-se no cronograma e faça o seu trabalho, revise constantemente seu desempenho, tente cumprir as metas dentro do prazo e peça ajuda de especialistas se for o caso. Haverá muita gente reclamando e lamentando e é difícil resistir ao clima ruim. Mas NUNCA fique apenas esperando as coisas acontecerem. Aqueles que souberem aproveitar o momento para demonstrar iniciativa tendem a conquistar mais espaço.

Surto de fuga

Cair fora é uma reação comum de quem se vê pressionado. Mas há fatores a considerar antes de uma decisão drástica. Um deles é analisar se o concurso vislumbrado oferece boas perspectivas de crescimento. Obseve os salários, os benefícios e as funções do cargo. Não estando satisfeito, talvez seja o caso de escolher outro concurso para um cargo com outras atribuições, com as quais você se identifique mais e se sinta confortável com os benefícios. Antes de tomar qualquer decisão, é preciso avaliar muito bem a situação real do seu empenho em proporção as vantagens oferecidas pelo cargo público. Coloque tudo na balança. Dificilmente a melhor escolha será desistir.


Fonte: CERS/Ana Laranjeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário