quinta-feira, 24 de julho de 2014

Concurso do TRT de Minas Gerais: Saiba como deve iniciar a preparação para o concurso


Uma vez aprovado, o concurso para o Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG), da 3ª Região, para os cargos de técnico e analista judiciários, será excelente oportunidade para aqueles que buscam a estabilidade. Para auxiliar na preparação para a seleção, cujo edital será divulgado este ano, a FOLHA DIRIGIDA ouviu o coordenador pedagógico do curso Mega Concursos e professor da disciplina de Raciocínio Lógico e de Matemática, Marcelo Cury, do curso Mega Concursos, em Belo Horizonte, que forneceu dicas importantes para iniciar os estudos, além de ressaltar que dedicação e atenção são fundamentais para a realização de uma boa prova.


"Pela experiência, percebemos que o candidato deve reservar de 4 a 6 horas de estudos diários, de preferência com intervalos. Um grupo de estudo ou curso preparatório ajudaria bastante para o candidato que não tem disciplina para estudar sozinho", enfatizou.

Segundo o especialista, a referência atual por enquanto é o último edital, elaborado pela Fundação Carlos Chagas, a organizadora. "A expectativa é de que não haja muitas novidades", diz.

Em relação a preparação dos candidatos, o professor esclarece que os estudos devem começar imediatamente, pois o conteúdo desse tipo de prova é bastante extenso. "O candidato não erra em priorizar o estudo das disciplinas Língua Portuguesa, Direito Constitucional, Direito Administrativo e Regimento Interno. Dependendo do cargo, há outras disciplinas que são importantes como o Direito do Trabalho. Além de estudar os conteúdos teóricos, é importante resolver questões de provas anteriores para verificar o preparo e treinar o estilo das questões da organizadora", afirma.

Um dos principais erros dos candidatos, de acordo com o coordenador, é deixar para estudar na última hora. "O cérebro humano é ilimitado, mas demanda algum tempo para a absorção de conteúdos extensos. É preciso ter uma rotina de estudos para facilitar o processo de preparação. Outro erro é estudar a mesma disciplina por horas a fio, é importante diversificar as matérias e ter intervalos de descanso para melhor fixação. Decorar a matéria não resolve nada, pois o importante é saber resolver as questões. Exercícios ajudam bastante", ressaltou.

Quando a questão é atentar-se, o docente diz que além dos estudos e do treinamento de resolução de questões, o candidato tem que ficar atento a todas as exigências do edital, desde o conteúdo programático, exigências e documentos necessários para a posse, até o calendário e prazos previstos.
"Qualquer passo em falso pode desqualificá-lo. Então, devem ficar alerta aos editais de convocação, em caso de classificação, pois às vezes demoram a publicar e há um período para comparecimento."

Marcelo Cury também disse um pouco do conteúdo programático. "Normalmente a organizadora do concurso costuma dar seu toque pessoal na abordagem do conteúdo, assim, é importante acompanhar a sua escolha. Além disso, o edital poderá esclarecer o número de questões e o peso de cada matéria, para que o candidato organize seus estudos", enfatiza.

Outro ponto bem importante e discutível entre os concurseiros é o uso da internet para o estudo, conforme salientou o profissional. Para o professor a internet democratizou a informação. "Tópicos que antes somente seriam obtidos por meio de apostilas, livros e professores, podem facilmente ser baixados via internet. Provas anteriores, como as listadas no PCI-Concursos, e simulados online, como os do Mega Concursos, são muito úteis no processo do preparo do candidato", mas também afirma que os livros são essenciais. "A bibliografia ideal seria a indicada pelo próprio edital, como isso não aconteceu no último concurso, o mais importante é o candidato evitar bibliografias polêmicas e buscar a gramática mais aceita, a interpretação do direito mais aplicada e assim por diante. Daí a importância do candidato adquirir uma apostila para direcionar seus estudos", afirma.

O especialista deixa um alerta para os futuros concorrentes: "O candidato não pode ficar satisfeito em se classificar, apenas. Tem que se preparar para ficar bem classificado, para ter maiores chances de posse. Então, o mais importante da prova é administrar o tempo e errar pouco. Escolher primeiramente as questões das disciplinas que se identifica mais, não ficar preso em questões que podem demandar mais tempo e usar o bom senso em situações em que terá que “chutar” uma opção são algumas dicas", ressaltou.

Por fim, o professor deixa uma mensagem para os concurseiros: "Estudar bastante, com racionalização do tempo, sem prejudicar o lazer e os nervos. É importante que o candidato mire em seu objetivo e foque os seus esforços para atingi-los. Passar em concurso é fruto de dedicação e persistência. Acredite, porque o resultado vale a pena", finaliza.


Fonte: Folha Dirigida

Nenhum comentário:

Postar um comentário