segunda-feira, 5 de maio de 2014

Concurso do TRT do Maranhão | Tumulto, confusão: veja vídeos!


Vários candidatos do concurso público para o Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região, no Maranhão, que fariam a prova neste domingo (4), ainda não começaram a fazer a prova devido a um problema na rede de ar-condicionado. Segundo os candidatos, ao chegarem ao prédio anexo da Faculdade Estácio de Sá, em São Luís, os aparelhos de ar-condicionado não estavam funcionando.


“Começou a fazer muito calor e não tinha mais a mínima condição da gente começar o processo. O problema é que em algumas salas foram entregues as provas e em outras não. Agora a gente quer que seja cancelado, pois não temos a mínima condição física e psicológica de realizar a prova”, falou a candidata Juliene Sousa.

A prova estava marcada para começar às 8h, mas até o momento os candidatos dos pisos 9 e 10 do bloco D da faculdade Estácio não começaram o certame. Os candidatos estão do lado de fora das salas por causa do problema.

Eles afirmam quando os aparelhos de ar-condicionado deram problema, em algumas salas os fiscais já tinham entregado as provas. Com o aumento do calor, os alunos tiveram que sair das salas levando provas e celulares.

Os candidatos afirma estar revoltados com a situação, pois até o tema da redação da redação já teria vazado.

Vários candidatos vieram do interior do Maranhão e de outros Estados. Kassyo Kawry, da cidade de Lima Campos-MA, afirma que está inconformado com o problema, pois enquanto em outros locais as provas estão sendo realizadas normalmente, enquanto no anexo da Estácio, ninguém conseguiu nem começar o certame.

Segundo o candidato Júlio Cesar Magalhães, o local está um caos, e apesar do calor a coordenadora do concurso teria pedido que os candidatos voltassem para as salas pra fazer as provas, mas ninguém está condições de iniciar o processo, devido ao calor e às informações da prova que já foram divulgadas.

Outro candidato, que não quis se identificar informou que o local está em reforma, e é um absurdo colocaram as pessoas para a fazerem uma prova com tantas questões em um local sem infraestrutura.

O concurso está sendo organizado pela Fundação Carlos Chagas.



Fonte: www.imirante.com

5 comentários:

  1. A FCC não está nem aí pras condições das escolas que eles alugam para os concursos. É claro que não posso culpar só eles por não ter passado na prova do TRT SP, mas grande parte eu credito a todo sofrimento que eu passei ao fazer a prova na Faculdade Flamingo, que estava em reforma, um barulho insuportável de ferramentas, muita poeira e cheiro de queimado, e quando fomos reclamar , a fiscal disse que não poderia fazer nada, e sugeriu que nós fechássemos as janelas.. com um calor de mais de 30 graus!!
    Concurseiro sofre, e definitivamente não é uma "classe" unida.... Para muitos ,quanto mais gente tiver se ferrando melhor!!

    ResponderExcluir
  2. é verdade...precisamos parar com essa competição extrema e atentar para o fato de que o concurso é um princípio constitucional..apesar de muita gente ser contra, acredito que a melhor solução seria reaplicar as provas, ao menos para o cargo de técnico jud., pois muitos foram prejudicados e perderam a chance de concorrer em iguais condiçoes aos demais.

    ResponderExcluir
  3. ...entendo a situação infeliz dos candidatos que foram prejudicados com o ocorrido, mas daí cancelar o certame??...não seria uma injustiça gigantesca com a maioria? aqueles que gastaram o suado dinheiro para viajar mais de 2.500km e fizeram a prova dentro dos conformes???eu mesma não posso mais bancar outra viagem, e aí???

    ResponderExcluir
  4. O que vocês do site Concurseiros ligados no TRT acha que pode acontecer sobre esse ocorrido?

    ResponderExcluir
  5. É evidente que a FCC cometeu graves erros, desrespeitando a todos nós. Para piorar, decidiu-se pelo maior dano com o cancelamento das provas. O concurseiro, em geral, passa por muitas adversidades durante o estudo e tem de investir tempo e dinheiro, inclusive, para fazer a prova, muitas vezes tendo de viajar longas distâncias. O dia da prova exige uma preparação física e psicológica grande e representa o momento de tornar realidade tudo o que treinou e sonhou. Portanto, não acredito que aqueles que saíram das salas tenham passado por todo esse processo ou, no mínimo, deixaram-se levar sem consciência dos prejuízos ainda maiores em consequência disso. Mesmo os concurseiros do Maranhão, que por razões geográficas, terão mais chanches de estar presentes na reaplicação, tiveram prejuízos com o cancelamento, devido a quebra de expectativa e desapontamento. Eu mesmo conheço um desses casos. Infelizmente, fomos prejudicados pela ineficiência da FCC na escolha do local e no gerenciamento do problema e ainda pela má-fé, claramente denotada pelo compartilhamento de fotos e informações durante o concurso (quando os telefones e aparelhos deveriam estar desligados) por aqueles que visavam levianamente se aproveitar da situação para ganhar tempo e reduzir a concorrência, ou que ingenuamente não perceberam o maior dano que causaram.

    ResponderExcluir