terça-feira, 10 de setembro de 2013

Aprovação zero para juiz do TRT-5 demonstra nível do ensino jurídico






Nenhum candidato foi aprovado no concurso promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região para o preenchimento imediato de sete vagas para juiz substituto do trabalho. O TRT-5 divulgou, na segunda-feira (2/9), os resultados da terceira etapa do concurso, que consistia em uma prova de sentença.


Dos mais de 2,5 mil candidatos inscritos, 61 ainda estavam na disputa pelas vagas e pela inclusão no cadastro de reserva para juiz substituto. No entanto, nenhum teve nota superior a cinco pontos, sendo que a nota mínima para a aprovação era seis.

Para o presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o resultado demonstra a importância do Exame de Ordem. “O grande problema é o excesso de faculdades de baixa qualidade, que não estão preparando adequadamente os alunos”.

Fonte: OAB/Conselho Federal

12 comentários:

  1. O presidente da OAB deveria resolver a sentença antes de poder comentar qualquer coisa. Só na primeira etapa deste certame foram anuladas 17 questões. A sentença foi totalmente desarrazoada, pois o candidato tinha apenas 4h para decidir muitos pedidos controversos e, a banca apenas aceitou como correto o seu posicionamento, que por sinal é minoritário. Sem mais.

    ResponderExcluir
  2. Há pessoas que caladas são uns poetas.

    ResponderExcluir
  3. O que tem a ver a prova de sentença com o a importância do exame da OAB????? Nem as faculdades de baixa qualidade, nem as de grande qualidade formam alunos preparados para enfrentar os concursos públicos de elevado nível, tendo em vista o nível de especialização desarrazoada que tais bancas exigem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. realmente...foi um apelo para justificar exame da ordem....desnecessário e sem o menor sentido...

      Excluir
  4. É fácil falar mal dos candidatos e das faculdades de má qualidade.
    Difícil é passar horas a fil estudando, perder festas, eventos momentos de sua vida para dedicar-se. Agora me diga um Juiz demora meses pra decidir um litígio e um pobre concurseiro aspirante a Juiz o deve fazer em 4 HORAS.
    Absurdo total.
    Até mesmo na prova de 2º fase da OAB o tempo é totalmente insuficiente para elaboramos uma peça e resolvermos 4 questões que se subdividem e mais questões.
    O Grande problema são as BANCAS ORGANIZADORAS criarem lei, doutrina e posicionamentos, isso sim é DESPREPARO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Horas a fio... ". Quem perdeu "HORAS A FIL" estudando, com certeza, nada aprendeu. hahahaha

      Excluir
  5. A OAB deveria conhecer um pouco mais a realidade de quem peregrina pela magistratura do trabalho, concurso este de elevadíssimo nível. Anos de estudos aprofundados, assomados à abstenção quase que absoluta de uma vida social...Tamanha a inverdade da assertiva, que sequer consideraram a Resolução do CNJ, que exige atuação profissional de pelo menos 3 anos, o que implica, evidentemente, em estudo concomitante, haja vista que o abandono da literatura culminaria no esquecimento. A propósito, acredito que a OAB desconhece inclusive o histórico deste TRT, que em certames passados já apresentou diversos problemas. Sinceramente, acho pouco provável em meio a tantas mentes brilhantes não haver nenhum candidato minimamente apto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo!! totalmente descabido este comentário feito pelo presidente da OAB...uma pena. SEM MAIS!

      Excluir
  6. Infelizmente as informações veiculadas na rede e na imprensa estão muito desencontradas da realidade de um concurso para magistratura. Relacionar prova da magistratura com prova da OAB é sem fundamento, pior ainda é relacionar com o Enem, como foi feito pela Globo. Demonstra o despreparo e a falta de interesse em verificar os fatos, para transmitir a informação devidamente.
    Atualmente o nível dos candidatos a magistratura é muito elevado, considerando a prova que segue este nível. Pelo espelho de correção da prova que foi disponibilizado, verifica-se, como já dito acima, em total discordância do TST, seguindo uma doutrina minoritária. É lamentável, a forma que foi conduzido o certame, e mais lamentável ainda, repercussão errônea que se seguiu. Não fiz o concurso, mas imagino a decepção dos candidatos quando se depararam com essa situação, novamente, é lamentável.

    ResponderExcluir
  7. Comentário infeliz do Presidente Nacional da Ordem...

    ResponderExcluir
  8. O PRESIDENTE DA OAB DEVERIA FICAR CALADO E RESOLVER SEUS PRÓPRIOS PROBLEMAS, COMO POR EXEMPLO ANALISAR AS PROVAS DE CONCURSO A QUE ESTAMOS NOS SUJEITANDO DIA-A-DIA, AO INVÉS DE FALAR DO QUE NÃO SABE....

    ResponderExcluir