segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Por que ficamos paralisados com tanto para estudar?



A força de vontade é construída a partir da imagem positiva que temos de nós mesmos, é algo que fazemos de forma proativa. Ela não se constrói por si própria, nem devido a acontecimentos externos. A força de vontade desenvolve-se do nosso interior.


No dia-a-dia, nossa mente tem a tendência de selecionar tudo que fizemos mal feito ou que deixamos de executar e certifica-se que estejamos conscientes disto. É comum ficarmos indecisos sobre o que fazer, sobre como priorizar tarefas. Passamos tanto tempo “pensando” no que vamos fazer, que findamos por não fazer nada!.

Muitas vezes entramos em um ciclo improdutivo por ficarmos sobrecarregados de tarefas para desempenhar e outras acumuladas (adiadas ou relegadas). O sentimento de fallha gerado pela responsabilidade não cumprida faz com que vá se instalando em nós uma impressão de decepção, de derrota ou de fracasso.

E aí, cadê o estímulo para retomar de onde parou? Ficamos paralisados, desfocados e desmotivados. Vendo que não conseguimos completar nossa quota de objetivos, o estresse se instala, a sensação de incapacidade vai crescendo, e vamos acumulando atividades a realizar e compromissos a atender. Voltando ao início do problema, caímos em um ciclo vicioso de improdutividade.

Como sair do ciclo da falta de força de vontade

Quando fazemos algo bem feito, independente de quão pequena a tarefa seja, vamos construir a energia positiva e a dinâmica necessárias, para alimentar e energizar nossas outras tarefas. Por exemplo, se você tiver acabado de resolver todos os testes de Língua Portuguesa do capítulo que estudou, será psicologicamente mais fácil para você, mudar rapidamente para outra matéria ou assunto e completar a tarefa seguinte. Você terá construído o impulso necessário para terminar as coisas.

Por outro lado, quando adiamos o que queremos fazer ou sabemos que devemos fazer, perdemos a força, e o mais grave de tudo é que perdemos a confiança em nós mesmos e deixamos de produzir.

Comece com algo que você pode fazer imediatamente e facilmente. Quando obtemos pequenos êxitos, construímos o impulso para ganhar mais confiança na nossa capacidade para tarefas mais elaboradas. Que pequenas ações você consegue fazer imediatamente, para demonstrar que é capaz de atingir as metas que estabeleceu para si mesmo? Por exemplo, limpe a sua mesa, organize os seus papéis, pague as suas contas, ou elabore a lista de estudos para amanhã.

Não tenha vergonha de se sentir vitorioso porque fez uma pequena coisa. Pelo contrário: sinta-se orgulhoso porque está agindo para sair da impassividade. Cada dia, na construção de sua força de vontade, é uma batalha vencida e o incentivo para a batalha de amanhã. No final, será você o vencedor.

Bons Estudos e AtéPassar!

Fonte: BlogAtéPassar

Nenhum comentário:

Postar um comentário