quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Concurso do TRT-DF/TO: Candidatos ganham mais tempo para estudar


Com o adiamento das provas do concurso para o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10), em Brasília e Tocantins, os candidatos ganharam mais de dois meses de estudos. No dia 3 de fevereiro de 2013, será realizada a única etapa da seleção, formada por exames objetivo e discursivo, remarcada após um incidente em um dos locais de prova causar a sua anulação, no último dia 11. Um novo cronograma para os demais eventos do concurso ainda deverá ser divulgado pelo Cespe/UnB, organizador.

Foram recebidas, no total, 54.983 inscrições. A primeira etapa contará com 120 questões objetivas, sendo 50 de Conhecimentos Básicos e 70 de Específicos, e redação de 30 linhas. Será preciso conseguir dez pontos (dos 50 totais) ou mais na parte básica, 21 na específica (70) e 36 na soma (120). Na discursiva, cinco, metade do total, além de classificação entre o limite de correções.

O concurso preencherá 28 vagas imediatas, em cinco atribuições dos dois cargos, além de formar cadastro de reserva em outras sete, totalizando 12 áreas/especialidades. Técnicos e analistas têm remuneração de R$4.762,96 e R$7.321,39, incluídos R$710 de alimentação, respectivamente, para carga de 40 horas semanais. A validade do concurso é de dois anos, inicialmente, podendo ser dobrada.

As provas foram anuladas após um tremor, causado por falhas estruturais, ter sido notado em um dos locais de aplicação, durante o turno da manhã. O incidente ocorreu no prédio da Universidade Paulista (Unip), localizada em Brasília/DF, durante os exames para analista. No período da tarde, seriam realizados os exames para técnico.

Especialista explica como aproveitar tempo a mais

Para ajudar na nova etapa de preparação, FOLHA DIRIGIDA buscou as orientações do coach de concursos do Instituto IMP, Alessandro Marques, para quem o tempo extra para se preparar é "muito bem-vindo". O especialista acredita que o tempo a mais deve ser utilizado da mesma forma, para estudar o máximo de conteúdo possível. "Não há como deixar matérias de lado, todas devem ser estudadas. O que o estudante pode fazer é dedicar mais tempo para as que ainda não concluiu e para aquelas que tem mais dificuldade. O tempo até a prova deve ser dedicado a aprender o máximo de conteúdo", afirma.

Quanto à divisão do tempo, ele recomenda que os estudantes o separem tanto para revisar o conteúdo já estudado quanto para estudar matérias novas. Dessa forma, eles podem conseguir atingir um equilíbrio nos conteúdos estudados e chegar à prova com "o mínimo de deficiências possíveis". Essa separação do tempo também dependeria de quando o candidato começou os estudos: se antes ou depois da divulgação do edital.

"Aqueles que já estão estudando há mais de um ano provavelmente já conseguiram cumprir, se não o edital todo, boa parte dele. Esses devem se concentrar em fazer revisões e buscar conteúdos ainda não estudados. Para o segundo grupo, não há como se concentrar em revisões ou exercícios, lembrando que você só exercita aquilo que tem. Esses alunos devem dar seguimento normalmente aos seus estudos, concentrando 80% do tempo em estudar a matéria e 20% para revisão e exercícios."

Para ajudar a manter o foco no concurso, mesmo após a anulação da primeira prova, Alessandro acredita que é preciso possuir um projeto de estudos a longo prazo. Isso ajudaria a manter o ritmo, independentemente da mudança de data ou cancelamento das provas. "A meta do estudante deve ser aprender as matérias; a aprovação é consequência", resume.

Fonte: FolhaDirigida

Nenhum comentário:

Postar um comentário